Na casa onde moro tem três goiabeiras no fundo do quintal. Assim que me mudei para cá não dava muito valor as minhas pequenas e profícuas goiabeiras. Era menino que pulava o muro para roubar goiaba, vizinha que enchia a paciência, porque as goiabas estavam apodrecendo no pé e precisavamos colher para fazer doce e por aí afora.


Como a casa em que moro é alugada, um belo dia a proprietária me ligou e disse que queria fazer uma reforma na casa. Minha espinha dorsal gelou, pensei, agora ferrou legal.


Eu tenho problema com pedreiro e a necessidade de convivência profissional é muito díficil pra mim, ouso dizer até perigoso para a vida do pedreiro e a manutenção da minha liberdade, mas deixando os exageros de lado voltemos a história da reforma.


Depois de tudo combinado a proprietária me perguntou se eu queria usar o pedreiro para alguma alteração na casa. Eu respondi que estava tudo em ordem, apenas a goiabeira me enlouquecia de vez em quando.


Numa segunda-feira, 6:30 da manhã aterrizou toda a equipe na minha casa, um pedreiro e mais três ajudantes. Como já é de lei, todo pedreiro chega na sua casa, faz uma bagunça danada, implica com seu jeito de fazer as coisas e reclama que o café está fraco. Sem contar que eles fazem besteira no serviço e se você vai reclamar ele diz: " A senhora é pedreira?"Bom! Reforma vai, reforma vem e já iam três semanas de serviço e nada de acabar. Um belo dia o pedreiro disse que iam terminar o serviço naquele dia e que a tarde eles fariam o que faltava. Na hora eu não entendi, fui trabalhar e voltei a tarde, como de costume. O pedreiro me chamou no fundo do quintal e com a maior cara de satisfação disse: " Deixei o quintal totalmente limpo, essas goiabeiras não amolam mais a senhora." Coitado. Achou que estivesse me fazendo o maior favor do mundo. Meus olhos se recusavam a ver e meu cérebro se recusava a acreditar. Meu Deus! Minhas goiabeiras estavam no toco, era apenas a raiz e não chegava a ter dez centímetros de caule.


Naquele momento pensei que minhas três goiabeiras estavam mortas. Não havia como florecer alguma coisa apenas naquela pontinha de caule.


Retomei a rotina e acabei me esquecendo das goabeiras, no dia-a-dia eu nem reparava naquele pedaço de caule, mas não é que para a minha surpresa, passado algum tempo, que eu não sei precisar quanto, daquele pedaço de caule começou a brotar pequenos ramos, que foram se transformando em caule. Minhas goiabeiras floreceram, deram frutos, que chegavam a encurvar os galhos ainda fracos, mas vigorosos. Hoje minhas goiabeiras estão totalmente recuperadas, dando flores e depois frutos.


Quando esta história aconteceu, eu ainda não tinha amadurecimento para entender as lições que a natureza nos dá diariamente. A capacidade de transformação e regeneração que existe em tudo que é divino( aquilo que vem de Deus).


Essa semana, admirando as minhas goiabeiras, fiz um paralelo da história da goiabeira com a história da minha vida. Vários foram os momentos em que o caule da minha vida, da minha relação amorosa, da minha vida profissional, familiar, social e espiritual esteve a menos de dez centímetros do chão. Quem olhasse pensaria: Já era! Mas não era, enquanto a gente tá vivo tudo pode acontecer. Podemos nos reinventar, aprimorar, caprichar e com isso mudar, aprender, crescer.


Mas a principal lição que tirei desta história é a que tenho que valorizar TODAS AS GOIABEIRAS DA MINHA VIDA, para não correr o risco de perdê-las novamente.

2 comentários:

Julyane disse...

Oi Linda
É lindo seu blog....É isso aiiiiiiii é a capacidade de uma mulher........ perfeita administradora.

Luiz Lailo disse...

Coloquei um link para seu blog no meu título Blogs Atualizados onde a última atualização aparece em primeiro lugar. Como são apenas 25 links, quem não atualiza fica oculto até publicar novo post.

Postar um comentário

Obrigada por fazer um comentário.
"Ah! se todo mundo fosse igual a você..."
Abraços

Hoje é

Seguidores

Dihitt

Google+ Followers

  ©The New Web Post - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo